Toro Rosso – A surpresa de 2011? (análise técnica)

Não sei se vocês também noataram, mas no paddock se move o assunto de que o STR6, novo modelo da Toro Rosso para 2011, é um carro forte e competitivo. Isso seria até normal se fosse vindo de torcedores ou alguns insiders na pré-temporada, mas a verdade é que os próprios rivais já salientam o poder que o carro de Faenza está escondendo.

Alguns dias atrás Alonso já tinha dito que os italianos evoluíram significativamente, mas foi Lewis quem mais atingiu com seu comentário –

O Toro Rosso se mostra absurdamente rápida. Pode ser o mais interesante na hora de observar os nossos rivais. – Lewis Hamilton.

E enquanto o jornal alemão Blick o encaixa no perfil de carro milagroso, o importante é tentar ir por dentro do que essa máquina realmente pode fazer e se o alarde é com uma boa base ou não – em outras palavras, saber se o STR6 é competitivo.

O STR6, técnica

Sabemos que a Toro Rosso não vem de um bom ano em 2010, quando se dedicou inegralmente na produção do STR5, em Faenza.

Mas pelo visto Giorgio Ascanelli acertou para 2011 e traz o STR6 como a grande surpresa das equipes do bloco intermediário até o momento.

Para começar, e como vemos na imagem acima, as entradas de ar laterais tem um desenho muito interessante (similar ao Ferrari F92 1992) que cria, embaixa da entrada “formal”, outro espaço que ajuda na passagem deste para a traseira e nos escapamentos.

Isso é possível pois as laterais do carro foram elevadas (como se pode notar na imagem), o que significa que o ar passe mais facilmente e dê um upgrade extra para ter mais downforce – perdida em grande parte com a proibição do difusor duplo a partir de 2011.

E é esse o problema que a McLaren está enfrentando com as suas inovadoras entradas de ar que não propiciam essa chance, ao contrário do visto no STR6. Uma grande sacada de Ascanelli para um dos problemas que todos querem resolver o mais rápido possível.

Além disso, a traseira compacta, que apresentam brânquias verticais que ajudam a disipar o calor do interior, o expulsando para fora sem que este interfira na aerodinâmica.

Isso sem contar o sistema do escapamento agilmente criado, onde os gases saem por um corte longitudinal paralelo a roda. Dessa forma todo o fluxo de ar é acelerado que passa por baixo do carro. O sentido disto é claro: Copiar o mais próximo do que foi o difusor duplo, que como já citamos antes está proibido.

Trabalho com o KERS:

Desde Valência o trabalho com o KERS na Toro Rosso é positivo, sendo que Buemi testou o dia inteiro em Valência do dia 3 e não houve nenhum problema do teste, assim como Alguersuari alegou já em Jerez, dizendo que testar o KERS não foi tão difícil como ele esperava.

No último dia 25 uma nota interessante da Toro Rosso, onde o pessoal de Faenza confía no KERS da Ferrari (afinal a equipe usa motor e KERS de Maranello).

Como se sabe a Ferrari é a equipe que tem um dos melhores KERS e trabalhou com ele sem falhas.

Junto com a Ferrari estamos executando um programa de testes antes das provas, para que possamos fazer o máximo possível com o fim de garantizar o maior nível de seguraná para os pilotos y termos certeza que tratamos adequadamente a parte elétrica do sistema KERS –

Comunicado Toro Rosso.

Desenvolvimento com os Pirelli:

No último dia de testes em Barcelona, 21-02, Buemi se mostrou muito positivo com a avanço da Toro Rosso no trabalho com os compostos italianos:

Hoje fui bem e estou feliz com o conquistado. Nós conseguimos, através do programa que tínhamos planejado, voltas o suficiente para melhorar a nossa compreensão dos diversos tipos dos pneus Pirelli. Temos um carro que é capaz de percorrer muitas voltas e isso é muito importante para esta época do ano. –
Sebastién Buemi.

Aparte disso, a equipe está tendo uma importante evolução com os pneus que se destaca – apesar de desgastarem rápido, Buemi pôde ter, na simulação de classificação, voltas muitos rápidas, no nível de Ferrari e Red Bull. Tanto que terminou com o 3º tempo no final do dia.

A posição da Toro Rosso com os rivais:

Naturalmente, na pré-temporada ter um conceito firme do status de cada equipe em uma ordem de força é complicado, afinal existem muitas variáveis sobre o que é feito em cada teste e principalmente como.

Porém, Alguersuari dá um panomara disso:

Na pré-temporada cada um sabe que tem quentrabalhar, mas ninguém sabe exatamente aonde está. Eu, sem ir muito longe, não sei onde se econtra a Toro Rosso nesta altura do ano, mas sim sei que não estamos nada mal.

É preciso seguir trabalhando muito em busca de melhores sensações e, especialmente, de ym bom feeling com os compostos. Encontramos coisas muito boas e podedos mostrar isso nos próximos tests.

Jaime Alguersuari.

  • Resultados do STR6 até aqui na pré-temporada:

Estatísticas:

Valência dia 1:

10. Jaime Alguersuari, Toro Rosso, 1:17.214 (+ 3.445)

Valência dia 2:

12. Sebastien Buemi, Toro Rosso, 1:16.359 (+ 3.052)

Valência dia 3:

10. Sebastien Buemi, Toro Rosso, 1:14.801 (+ 1.657)

Jerez dia 1:

4. Daniel Ricciardo, Toro Rosso, 1:21.755 (+ 1.046)

Jerez dia 2:

4. Jaime Alguersuari, Toro Rosso, 1:21.214 (+ 0.862)

Jerez dia 3:

7. Sebastien Buemi, Toro Rosso, 1:21.681 (+ 1.500)

Jerez dia 4:

4. Sebastien Buemi, Toro Rosso, 1:21.213 (+ 1.381)

Barcelona dia 1:

3. Jaime Alguersuari, Toro Rosso, 1:25.638 (+ 1.264)

Barcelona dia 2:

2. Jaime Alguersuari, Toro Rosso, 1:23.519 (+ 0.204)

Barcelona dia 3:

9. Sebastien Buemi, Toro Rosso, 1:26.155 (+ 2.987)

Barcelona dia 4:

3. Sebastien Buemi, Toro Rosso, 1:23.550 (+ 0.925)

Voltas e kms em toda a pré temporada:

9. Sebastién Buemi, Toro Rosso, 422 voltas, 1845,7 km.

18. Jaime Alguersuari, Toro Rosso, 352 voltas, 1558 km.

6. Toro Rosso, 852 voltas, 3758, 7 km.

As estatísticas acima mostram até o momento uma ótima pré-temporada do STR6, atingindo seu ápice no segundo dia de Barcelona, onde Alguersuari se posicionou a apenas 2 décimos do melhor tempo, Vettel, após rodar consistentes 97 voltas e realizar uma série de testes, inclusive na atualização do sistema de freios.

Conclusão:

Depois desta breve análise técnica, afirmar se a Toro Rosso será uma surpresa ou não se facilita um pouco, visto que vários dados foram colocados em pauta.

Claro que a plena certeza teremos só depois das 3 primeiras corridas, mas, vocês, acreditam que a Toro Rosso irá surpreender?

20 pensamentos sobre “Toro Rosso – A surpresa de 2011? (análise técnica)

  1. As vezes tenho a impressão de que é feito muito folclore com relação às supostas “escondidas de jogo” das equipes.
    Nos últimos anos principalmente, desculpem se eu falar besteira, não vi muito disso.
    As equipes que fizeram bonito nos testes, que tiveram regularidade e velocidade, foram as que se deram melhor no campeonato.
    Dito isso, meus nobres, penso e espero que a Toro Rosso consiga avançar em seus objetivos e deixe de ser uma equipe do pelotão intermediário, pois quanto maior o número de equipes capazes de competir, melhor o campeonato.
    Abraço à todos!

  2. Pra mim tem uma mãozinha do Adrian Newey nesse negócio ai, acho que o dono lá da Red Bull, que me esqueci o nome, não vê muita vantagem em ter sua marca lá atrás do pelotão e foram dar uma forcinha pros italianos….

  3. Sei lá, prefiro esperar até a primeira prova para tirar uma conclusão. Se não estou enganado a Sauber nos testes de 2010 foi muito bem e deu no que deu…

  4. Se alguém se distrai eles ainda ganham uma corrida, e não foi assim a tanto tempo!
    Cuidado com eles, neste momento são muito mais paridos que os Mac e os Mercedes, Hamilton diz que ficou impressionado!
    E sauber se iniciar o campeonato como acabou, a mecânica é igual, vamos ver gente diferente na frentes, cuidado com os jovens lobos!

  5. Acho que o carro poder ser bem nascido, mas onde eles estão em relação aos ponteiros não da pra saber. Mas não terão bala ($$$) pra segurar a evolução do carro ao longo do ano. Mais ou menos o caso da Williams.

    Mas sempre é bom qdo uma equipe da um bom salto de qualidade.

    Abç

  6. Qualquer carro do pelotão intermediario, que conseguir se destacar e andar junto com as equipes de ponta, já é um alento. A FI., precisa urgentemente acabar com a hegemonia de algumas equipes e parece, que com um touro de força a mais, a Toro Rosso pode chegar lá. Vamos torcer para que isso aconteça, e que a Lotus, Willians e Mercedes, tambem entrem para esse time de provaveis “surpresas” de 2011.

  7. Ainda acho cedo, e tivemos alguns casos de carros que andaram forte na pré-temporada, mas não conseguiram o mesmo rendimento ao longo da temporada.

  8. No orkut TODOS que comentaram sobre o carro (logo no lançamento) falaram que ia ser uma porcaria por que não inovaram em nada, tava parecido com o SRT5 e mimimi, agora se essa especulação do carro ser muito bom se confirmar sera um tapa na cara dos corneteiros de plantão.

    • Concordo em partes, axo que só saberemos exatamente em qual degrau cada equipe estará a partir da primeira prova, vide exemplo da Sauber em 2010

  9. Se conseguir terminar a tempoarada como a quinta força, já pode comemorar muito, sem Vettel não vai ser fácil…

  10. Não duvido que podemos ver a Toro Rosso no pódio novamente. O carro é bom, parece com o RB6, e o motor é Ferrari. O Kers é Ferrari, e os pneus são italianos. Será muito legal se a Toro Rosso vencer mais uma vez.

  11. Eu quero saber como eles compensaram a elevação do centro de gravidade provocado pelo ‘levantamento’ dos sidepods.

    Essa solução de esquentar o ar que passa pelo carro (no sobre-assoalho) é bem Red Bull o que era esperado. Mas o F92 tinha outro problema devido ao fundo duplo que não me lembro agora.

  12. Excelente artigo, Tomás, dados muito interessantes!
    As propostas da Toro Rosso de recuperar a dowforce perdida com o banimento do difusor duplo são impressionantes!
    Eu não duvidaria se a equipe tivesse sucesso entre as intermediárias, ainda mais com condições tão boas de ir bem na classificação! Seu status de filial da Red Bull não pode ser desconsiderado (mesmo sendo proibido a comutação técnica)!
    Vamos esperar para ver como a STR se sai no campeonato!
    Deus abençoe a todos!

  13. Espero mesmo ver a STR na frente, assim como Williams, Sauber, Mercedes e Lotus Renault. Só assim o campeonato 2011 ganha status de competitivo, pois ultimamente só temos visto duas equipes disputando o título e isso não é nada bom para o esporte. Agora uma curiosidade: Porque só na Itállia o energético leva outro nome? Que eu saiba, nos demais países ele é comercializado como Red Bull mesmo, assim como aqui no Brasil, ou eu estou enganado?

  14. Pingback: Toro Rosso e Sauber – Preview 2011 « Blog Fórmula 1

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s