Investigando o escapamento frontal da Renault

A missão de recuperar parte da downforce perdida com a proibição do difusor duplo para essa temporada está sendo a principal tarefa nesta pré-temporada para as equipes estudarem atentamente. Seguramente o trabalho de algumas tenha sido facilitado pela descoberta do engenhoso escapamento frontal do R31 anteontem, que já irá ser copiado, pelo menos, na Mercedes.

Ross Brawn se mostrou bastante conformado em copiar a solução vinda de Enstone, dizendo que a Renault está no caminho certo e se trabalhará em uma solução semelhante no W02.

Não sei se vocês pensam assim, até porque também se cogita que a McLaren integrará no MP4-26 o escapamento frontal também, mas ainda é muito cedo para copiar logo de cara esse invento.

É engenhoso, trabalhoso e de uma simplicidade inteligente, mas há uma pitada de “boa-bondade” na Renault em não ter implantando algum adesivo ou algo do genêro imitando um escapamento normal, assim como a Red Bull fez em 2010 e enganou o grid por meses.

O que eu tenho certeza é que não se trata apenas do que vemos na carenagem do R31 – há mais fatores ligando-se entre si para que essa solução fosse adotada.

Mesmo assim, e como foi levantado na frutífera sessão de comentários do primeiro post relacionado a este assunto, é que com este tipo de escapamento frontal deverá passar gás quente (algo até 800ºC) perto de radiador, que tem a função esfriar além de, também, passar junto a componentes eletrônicos.

A verdade é que o sistema ainda está em seus primeiros dias e ainda será desenvolvido, mas não se estranhe que a Renault tem a vantagem inicial por tê-lo criado e levado em conta o projeto com esta solução, ao contrário das equipes que irão copiá-l0.

Investigando:

Até agora, é a invenção mais inovadora do ano. Para simplificar em um começo, a principal função é, em tese, equilibrar e trazer um pouco da downforce perdida com a proibição do difusor de dois andares em 2010.

O que a Renault fez, então,  foi deixar a saída do escapamento entre os sidepods, os chassis e os radiadores, direcionando-a para o início da entrada do fluxo de ar do assoalho. Isso acelera o fluxo de ar debaixo do assoalho para uma maior massa de ar e também mais downforce. Mas existe o risco, ao mesmo tempo, que ocorra o efeito contrário – o carro esteja mais lento por um desequilibrio ou mau funcionamente da passagem do ar.

A ideia Rob White, chefe de engenharia da Renault, e assim como apontou o engenheiro presente nos comentários, Bruno Edson, pode estar querendo recriar um efeito solo rudimentar – algo que, visto no que as mudanças da F1 irão direccionar em 2013, uma sacada muito inteligente.

Porém nota-se que os gases do escape irão direto para a carenagem, o que força a criar uma proteção contra super-aquecimento, já que vimos os sidepods e assoalho queimados, um preview que o diretor técnico James Allison já havia dado no dia da apresentação.

Volto a reiterar, é muito cedo ainda para tirar conclusões sobre o funcionamente e benefício do EF, mas pelo visto o que se comenta no paddock é que a solução é boa e dará certo. Eu aqui tenho minhas dúvidas, mas Kubica termina e saí líder de Valência. Vamos ver o que teremos nos carros dia 10 e claro, amanhã, no MP4-26.

21 pensamentos sobre “Investigando o escapamento frontal da Renault

      • Um pouquinho-

        Até agora, é a invenção mais inovadora do ano. Para simplificar em um começo, a principal função é, em tese, equilibrar e trazer um pouco da downforce perdida com a proibição do difusor de dois andares em 2010.

        O que a Renault fez, então, foi deixar a saída do escapamento entre os sidepods, os chassis e os radiadores, direcionando-a para o início da entrada do fluxo de ar do assoalho. Isso acelera o fluxo de ar debaixo do assoalho para uma maior massa de ar e também mais downforce. Mas existe o risco, ao mesmo tempo, que ocorra o efeito contrário – o carro esteja mais lento por um desequilibrio ou mau funcionamente da passagem do ar.

        A ideia Rob White, chefe de engenharia da Renault, e assim como apontou o engenheiro presente nos comentários, Bruno Edson, pode estar querendo recriar um efeito solo rudimentar – algo que, visto no que as mudanças da F1 irão direccionar em 2013, uma sacada muito inteligente.

        Porém nota-se que os gases do escape irão direto para a carenagem, o que força a criar uma proteção contra super-aquecimento, já que vimos os sidepods e assoalho queimados, um preview que o diretor técnico James Allison já havia dado no dia da apresentação.

  1. Acredito que eles acabaram por revelar o escapamento porque queriam testá-los de uma vez, assim, se o plano desse errado teriam tempo para corrigir.

  2. ———————
    O que eu tenho certeza é que não se trata apenas do que vemos na carenagem do R31 – há mais fatores ligando-se entre si para que essa solução fosse adotada.
    ———————

    Eu tenho certeza absoluta que um engenheiro da F1, principalmente os das grandes equipes, olham, pensam 10 ou 15 minutos e já sabem quase que completamente quais são esses fatores interligados entre si. Muitas vezes subestimamos o quanto os engenheiros da F1 estão acima de nós, pobres e coitados mortais. Algo que nós despendiaríamos 1.000 posts para enteder, eles matam numa mesa de bar em 2 horas.

    • ———————
      Volto a reiterar, é muito cedo ainda para tirar conclusões sobre o funcionamente e benefício do EF
      ———————

      Segue a mesma linha de raciocínio do que eu disse acima. E só para citar um exemplo, as equipes em 2010 não precisaram mais do que 1 dia para categorizar: o F-Ducto é genial. E, como sabemos (pelos comentários dos especialistas que analisaram ambos os sistemas), o funcionamento do F-Ducto é muito mais complexo do que o escape invisível.

    • Obviamente, eu não sou engenheiro para tirar essas dúvidas em 2 horas, rs.
      Mas, se eles sabem, porque a Ferrari não fez antes, por exemplo? O conhecimento existe mas as ideias e interpretação do regulamento é outra história.

  3. Tomás, somente como informação: site http://www.grandepremio.com.br

    Apesar de times como McLaren, Red Bull e Mercedes já estudarem colocar esse conceito nos carros, Ross Brawn, chefe da equipe alemã, disse não acreditar ser imprescindível adotar essa solução. Quando perguntando ser a Mercedes iria copiar o sistema da Renault, Brawn descartou essa hipótese, mas alertou que o manuseio dos gases expelidos para gerar downforce será fundamental nesta temporada.

    Ross Brawn descartou copiar os escapamentos, mas ressaltou a importância do uso dos gases expelidos

    “Eu não acho que iremos implementar isso. Imagino que provavelmente iremos ver alguns times com soluções diferentes antes de chegarmos ao Bahrein. Eu vi a Ferrari e eles têm algumas opções. Eu penso que há algumas outras soluções que podem ser tomadas para se beneficiar da energia do escapamento”, analisou.

    Apesar de citar o escapamento da equipe de Maranello, Brawn afirmou que ainda pouco pode falar sobre os novos modelos da própria Ferrari e da Red Bull. “Para ser honesto, eu ainda não os analisei detalhadamente, mas não vi nada dramático neles. Eu suspeito que entre as grandes equipes, você verá um carro muito diferente no Bahrein porque ainda há muito tempo. Penso que até lá os times trarão um grande número de atualizações, o que certamente será o nosso caso.”, declarou.

    Quanto aos primeiros testes realizados nesta semana em Valência, o inglês explicou que o importante é conferir se todos os novos equipamentos estão funcionando corretamente. “Nesse momento estamos focando na confiabilidade, além de fazer ajustes no uso do KERS, que é algo completamente novo para nós, mas não para vários de nossos engenheiros”, disse.

    Por fim, Ross Brawn seguiu a linha das declarações de Stefano Domenicali, logo após o lançamento da Ferrari F150, e afirmou que somente nas últimas sessões de treinos da pré-temporada será possível ter uma ideia de competitividade. “Você irá ver em Barcelona e no Bahrein as coisas que eu chamo de reais níveis de desempenho, e penso que acontecerá o mesmo com Ferrari e Red Bull”, finalizou.

    • Motosport:

      Rumors have emerged in German media that McLaren has a similar exhaust system on their new McLaren MP4-26, which will be launched on Friday in Berlin. Mercedes team principal and designer Ross Brawn, has admitted the new 2011 Mercedes has a similar device. “Renault’s thinking is in the right direction, we are working on a similar solution,” said Brawn.

      • Tomás, eu tinha visto esta informação tb. Posteriormente veio a que postei acima, mas vamos ver qual sera a reação de Mercedes e Mclaren.

        Abç

  4. nossa adore este blog da em 1000 em todos que ja pesquisei ate agora e olha que sao muitos ak tem todas informaçaoes ,pensamento diferente.
    parabens tomas pelo otimo blog

  5. Pingback: Tweets that mention Investigando o escapamento frontal da Renault « Blog Fórmula 1 -- Topsy.com

  6. Ross Brawn está blefando! Quero ver se a Lotus/Renault mandar bem já no início de temporada, se a Mercedes não vai copiar a idéia!! Mas não é só jogar o escapamento alí e tudo pronto, quem desenvolveu desde o princípio o carro com esta visão, vai continuar na frente por um tempo, assim como foi com a Brawn em 2009…é assim que eu penso!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s